A Igreja

Nestes 144 anos da amada Igreja Presbiteriana da Bahia, nossa gratidão a Deus pela vida dos Pastores, Rev. Simonton, Chamberlaim, Blackford, Schneider, que foram os pioneiros do Presbiterianismo no Brasil e na Bahia. Schneider, especialmente, na Bahia. A ele coube a honra de ser o pioneiro na Bahia, em 19 de janeiro de 1871, diz o próprio Schneider “Parti de São Paulo para estabelecer uma missão na Cidade da Bahia, aonde cheguei a 9 de fevereiro”. Veio trazendo algumas cartas de recomendações do Rev. Ricardo Holden para alguns amigos do Evangelho nesta cidade.
De 12 de fevereiro a 16 de abril, pregou uma vez, de 23 de abril a 9 de julho, duas vezes. Nestas ocasiões se reuniram de 2 a 17 pessoas. Duas ou três vezes, porém, ninguém apareceu por causa da chuva.
No ano seguinte, diz que os auditórios atingiram até 30 pessoas e organizou uma Igreja, a 21 de abril de 1872. Em viagens pelo Recôncavo, organizara, em companhia do Rev. J. T

Houston, a Igreja Presbiteriana de Cachoeira (1875), sendo a primeira Igreja
Presbiteriana organizada no interior baiano. Termina Schneider o seu relatório dizendo
que “se fosse contar só com forças humanas, a obra evangelística na Bahia seria muito
desanimadora”. Seu primeiro converso. Sr. Marcos da Boa Morte foi ele quem
providenciou ao Rev. Schneider as primeiras mudas de laranja baiana que levadas aos
Estados Unidos foram o ponto de partida para a cultura dessa laranja que enche os
mercados americanos e europeus. Viveu ele na Bahia de 1871 a 1877. Depois de seu
trabalho na Bahia, estivera alguns anos em Nova York voltou ao Brasil em 1882,
trabalhou no governo de São Paulo, na comissão geográfica e geológica, fez parte do
primeiro Presbitério e do primeiro Sínodo organizado no Brasil. Abril, mês de
aniversário da igreja Presbiteriana da Bahia, nossa oração ao Deus Supremo, pela
existência da mesma, nesta cidade pregando a palavra do Senhor Jesus.

Alguém já dissecom muito acerto que “Recordar é fácil para quem tem memória, esquecer é difícil para quem tem coração”. Nestes 140 anos, há muitos registros nos nossos velhos livros de atas, que vamos recordar alguns. Vários pastores passaram por aqui e deixaram a sua
fundação, como sabemos, foi o fundador, o Rev. Schneider foi nosso Pastor durante 6
anos, incluem-se nesta galeria, nomes como o Rev. Chamberlain, Blackford, foram eles
contemporâneos do rev. Simonton, Rev. Blackford deixou muitos registros feitos do
próprio punho, era casado com Elizabeth (Lille), que era irmã de Simonton e morava no
bairro do Canela. Sendo assim à irmã de Simonton, era membro desta Igreja. Em 1879
faleceu sua primeira esposa. Em 24.03.1880, Rev. Blackford realiza seu segundo
casamento com Nannie foi ela recebida como membro em 04.07.1881, também foram
recebidos 4 sobrinhos de Simonton, filhos dos Blackford foram batizados em
05.03.1882. Há registros que foi determinado que se passe uma lista pela Igreja para
angariar recursos para mandar o Pastor à reunião do Presbitério. A nossa Igreja, tem o
privilegio de ter em nosso meio a família Alves. Registro: Foram recebidos como
membros desta Igreja em 03.12.1882 José Martinho Alves com idade de 30 anos, em
08.12.1883, ngela dos Reis Alves, Sebastião dos Reis Alves, Julia dos Reis Alves,
filhos do Sr. José Martinho Alves. O Sr. Martinho era avô das irmãs: Angelina,
Guiomar, Marieta, Nair, Valdelice e Presb. Samuel Alves. Portanto esta é a família mais
antiga da nossa Igreja que continua fazendo sua história em nosso meio. Encontra-se em
nossos anais, a 1a Igreja Presbiteriana do Brasil é a Catedral do Rio de Janeiro, a 2a
Igreja é a de Brotas – São Paulo, a 3a Igreja é a Igreja Presbiteriana da Bahia. Reunida
em Assembléia, em 30.07.1914. a Igreja da Bahia elegeu por unanimidade, como
Pastor o Rev. Miguel Risso, que foi um dos mais notáveis pregadores da Palavra de
Deus no Brasil. Naquela Assembléia, foi lida uma carta do Rev. Risso, que comunicava
a Igreja que com prazer aceitava o convite, caso fosse eleito. Em 08.10.1914, foi
nomeada uma comissão para receber o novo Pastor, que por razões não registradas, não

veio tomar posse. Registrado que em 1941, a Igreja foi multada pela Prefeitura, em 250
mil reis, por ter distribuídos folhetos bíblicos de propaganda. Em 17.02.1881, foi
suspenso dos privilégios da Igreja, o Sr. José Francisco de Oliveira, por ter realizado
compras e tratar de negócios aos domingos. O Rev. Schneider que veio à Bahia fundar
Igrejas, com os Alemães residentes aqui. No 1o livro de atas, lê-se: A Igreja
Presbiteriana da Bahia organizou-se em 21 de abril de 1872, fazendo Profissão de Fé o
Sr. Torquato Martins Cardoso e sua esposa, D. Maria Cardoso Pereira, celebrando-se a
Ceia do Senhor; pertencia nossa Igreja ao Presbitério do Rio de Janeiro que foi o 1o
Presbitério organizado no Brasil.Em 19.09.1900 é convocada à Assembléia da igreja
Presbiteriana, cidade da Bahia, Rua da Gameleira, 3, para constituir-se pessoa jurídica
presidiu a reunião o Presb. José Martinho Alves. Em 24.10.1900 compra-se um terreno
na Rua da Mangueira, Nazaré, por 6.681$ 400 reis, para construir um templo. Em 1902,
foi constituído no atual endereço, um templo que por mais de 50 anos abrigou a Igreja,
com muitas lutas se vê pelas atas do Conselho. Em 1956 foi construído um novo
Templo, que foi inaugurado em 1959, no pastoreado do Rev. Eudaldo Silva Lima”.
Ao trabalho de mãos, que no passado contribuíram para a expansão do Reino de
Deus e salvação de almas, e por vidas tão dedicadas, que como Ministro do evangelho
pastorearam esta centenária Igreja. O nosso agradecimento ao senhor Jesus Cristo.